sábado, 15 de agosto de 2009

Terra... a prazo



Nunca entendi bem o funcionamento das embarcações.

Confundo proa e popa e não descobri ainda o que são bombordo e estibordo.

Desconheço a forma correta de dispor mastros e velas, remos e canhões, marinheiros e funções.

O chapéu, a luneta, a perna de pau, o tapa olho e o gancho, bem como o pássaro no ombro, não me são mais que acessórios irrelevantes; sou incapaz de perceber por que o capitão precisa deles.

Mesmo a simplicidade da âncora me é difícil processar.

Das embarcações e da vida, só o que sei é que, mesmo nas maiores tempestades, todo o esforço é pouco - e a pena vale pra não afundar.

4 comentários:

contador de histórias disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
contador de histórias disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
contador de histórias disse...

Que bom que tenha gostado, meu caro... estamos por ai para trocarmos idéias e td mais...
aparecerei por aqui tb!

abraço

Sascha disse...

Álguem tem uma bússola? Me perdi no mar da minha vida...

mta