quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

Lembrança (Uma Pequena Grande Pausa na Rotina)



Corações e corpos, um poema de Adriana Pereira

Essas coisas quando
caem no sangue,
diluem consigo mesmas
todos os tremores
cardíacos.

Essas coisas não são
completamente coisas...
São corações e corpos,
pequenas porções
de um universo
onde se enterram juntos
o desejo e a teatralidade,
álibis humanos
de uma vida vagamente míope.

Essas coisas,
nem tão completamente coisas,
são como silêncios e palavras:
um eclipsa o outro.

Artista plástica, pesquisadora e estudante incansável, Dri - como costumava assinar - respirou cultura a vida toda, exalando arte em cada singela impressão que passava. Se me perguntarem, minha memória nunca há de falhar: minha tia foi uma mulher de visão, exemplo de dedicação, ímpar!



Natural de Juiz de Fora, Adriana de Souza Pereira nasceu em 12 de março de 1964. Formada em Artes pela Universidade Federal de Juiz de Fora, com bacharelado em Gravura, cursou também Artes Industriais, com licenciatura em Artes Plásticas, no Centro de Ensino Superior de Juiz de Fora – CES. Em 1988, iniciou seus trabalhos no Centro Cultural Bernardo Mascarenhas como monitora dos gravadores Carlos Martins e Lena Bergstein nos cursos de gravura. Em 91, foi monitora do curso de xilogravura, orientado por Ruben Grilo. Neste mesmo período, até 1994, orientou as oficinas livres e cursos básicos de gravura em metal.
Dentre as exposições das quais participou, estão as individuais Casa de Papel, na Galeria Contemporânea (RJ) e Spix e Martius, em Ouro Preto. Dentre as coletivas, destacam-se a Coletiva de Xilogravura - Escola de Artes Visuais do Parque Lage (RJ) e o IX Salão de Gravura da Cidade de Curitiba (PR), ambas em 1990; Utopias Contemporâneas, no Palácio das Artes, em Belo Horizonte, no ano de 1992 e em 1994, Projeto Coração da Cidade, em Juiz de Fora. Adriana Pereira faleceu em 27 de setembro de 2004.
(Funalfa)



Nunca é pleno o pulsar de um coração detido, eterno aspirante a uma liberdade infinitamente maior que a realidade toráxica a ele circunscrita.



Na noite do próximo dia 25 de março, haverá a abertura da exposição de gravuras de Adriana Pereira, no CCBM (Avenida Getúlio Vargas, 560, Centro, Juiz de Fora). A entrada é gratuita.

Um comentário:

Luiz Fernando "Mirabel" disse...

Valem a lembrança e a dica!