terça-feira, 4 de maio de 2010

(LOL)



_Ai, moço! - fazendo assim com a mão. Os olhos surpresos, o indicador abaixando e levantando com o pulso e ela mesma desacreditando no que fazia tão automaticamente - ato-reflexo... assim...
Atônito, o motorista parou o ônibus, que já começava a acelerar. Ele quis rir. Depois quis gritar Não veem que são quase nove da noite? Andem logo! Por último, riu mesmo.
Os dois, ali, na calçada do lado da rua oposto ao que o ônibus estava parado, pareceram pensar por um segundo. Os carros detiveram-se em seu movimento, qualquer que fosse, e, de repente, a avenida extremamente movimentada abriu caminho para o tão (in)esperado encontro dos passageiros com o ônibus. E eles correram.

Onomatopeia: tlac - tlec - tlic -tloc - tluc -- suspiro --
-- oripsus -- tluc - tloc - tlic - tlec - tlac :aiepotamonO

Entraram no ônibus. E riram, o que dificultou muito o reestabelecimento de seus pulmões.
Nunca soube descrever cenas, nem sou bom criando onomatopeias. Ontem aconteceu uma coisa assim quando eu saia do curso de inglês com minha professora, uma situação feito essa. E nem pude notar bem os detalhes, pena. Mas o fato é que vivemos um inesquecível passar de quinze segundos que hora nenhuma supera. E rimos (eu, ela e o motorista do ônibus) - o que faz bem para a saúde -, o que me fez bem (espero que a eles também).

Era uma noite linda para rir.



Nos dias quotidianos É que se passam Os anos - Millôr Fernandes.

2 comentários:

Paulo Vitor ("Pavê") disse...

Carácolas, adorei! Marcamos certos momentos simples das nossas vidas, mas que são uma delícia de lembrar. Parabéns!

thaispetrucci disse...

adorei Fernando!!!!!!! Ficou ótimo!!!!!